Uma prova como você nunca viu.

Nadar de tênis? Correr com palmar e boia (pullbuoy) presos à perna? Sim, isso é possível na Búzios SwimRun, que está em sua 2ª edição! O competidor começa e termina a prova com os mesmos equipamentos. Não tem transição. A competição é nova. Surgiu há mais dez anos na Suécia, onde um grupo de amigos decidiu durante uma conversa de bar explorar as ilhas de Estocolmo nadando e correndo com tênis, touca, roupa de borracha, palmar e pullbuoy.

A prova, que chegou ao Brasil no ano passado, em Búzios, volta este mês à linda cidade do litoral do Rio de Janeiro. Serão cinco distâncias para escolha do atleta: SwimRun 6km (nível iniciante), 10km (nível intermediário), 23km e 40km (nível avançado) e um corrida de Trail Run de 12km (para qualquer nível).

Em todos os níveis do SwimRun, em média, o competidor tem 20% de natação e 80% de corrida, em trechos alternados. Isso quer dizer que ele começa na água, corre, volta para o mar, pega uma trilha, faz mais um trecho de corrida, nada novamente e por aí vai. Todos os percursos são sensacionais. Cruzam 20 praias e 7 tipos de terrenos diferentes. Os atletas de 40km têm um tempo limite de 8 horas para completar a prova. Já os competidores das distâncias menores devem completar o percurso entre 1hora e 2 horas. Importante ressaltar que, como há diferentes percursos, teremos quatro largadas: 6:00, 7:20, 7:45, 8:00. Todas na Praia de Geribá, base do evento.

Diferentemente de competições que envolvem natação e corrida, nas quais o atleta faz a transição e troca de material, no SwimRun ele começa e termina com o mesmo equipamento. Não tira o tênis para cair na água, não tira a touca nem o palmar para correr e mantém a boia presa à perna. Isso torna o desafio e as dificuldades muito maiores. Por isso, recomendamos que só façam a inscrição os atletas que tenham alguma experiência prévia em natação no mar e corridas em trilhas.

Sobre os equipamentos, por questão de segurança, alguns são obrigatórios: a touca de natação, o colete da prova, o apito, o tênis, o pullbuoy e o palmar. Todos são essenciais no processo de flutuação no mar. Os competidores ainda podem optar por equipamentos opcionais: pé de pato, mochila, colete salva-vidas e luvas. Lembrando que devem carregar o tempo todo na corrida e natação tudo que eles usaram na largada. É proibida a ajuda externa.

Enxergamos o esporte como forma também de inclusão social. Por isso, esse ano, ficamos muito felizes com a participação de um atleta com paralisia cerebral. Gabriel Couto Rocha, 17 anos, será conduzido pelo seu pai e mais 2 handlers (ajudantes) ao longo do percurso de 6km. É um fato inédito em 14 anos de SwimRun, dada a complexidade da prova.

A questão ambiental é muito importante para a gente. Queremos causar o menor impacto possível. Por isso, haverá coleta de lixo na praia de Geribá dois dias antes de ela acontecer. A parceria é com a Guarda-mirim de Búzios e com a Embaixada da Suécia no Brasil, uma entusiasta do SwimRun no Brasil. Após o evento, será feita uma limpeza no local de competição. A segurança dos competidores é outra preocupação. Os atletas podem contar com serviço de resgate no mar, balizamento com caiaques e pranchas, além do habitual percurso demarcado nas trilhas para garantir que todos estejam na direção certa. Uma ambulância estará de prontidão.

Serviço:
Hero SwimRun 2020, Búzios (RJ)
Data: 14/03/2020
Largada: 6:00, 7:20, 7:45, 8:00 – no Fishbone bar, Praia de Geribá
Término do evento (estimativa, incluindo a premiação): 15h
Contato: Fabio Iskandarian, organizador da prova – 21 996296869